WhatsApp:  (21) 98563-3713
COMPRAS      
 
TOPBOOKS - EDITORA E DISTRIBUIDORA DE LIVROS

Topbooks 30 anos

A Editora Imprensa Homenagens Especiais Destaques Recomendados eBooks Como comprar Fale conosco Início do site
30livrosA10reais
CATÁLOGO
 
 
 
Instagram
 
WhatsApp:
(21) 98563-3713
TOPBOOKS - Editora e Distribuidora de Livros

LIVRO COMPILA OPINIÕES DE NÊUMANNE PINTO SOBRE LULA

Ranier Bragon
de Brasília


A vida do retirante nordestino e ex-operário que ocupou por oito anos a Presidência têm sido fonte de farta produção literária, filão a que se junta agora o recém-lançado O que sei de Lula (Topbooks), do jornalista e escritor José Nêumanne Pinto, 60.

Embora o título sugira revelações memorialistas sobre o biografado, esse não é o foco do livro, que se destina mais a um compêndio de Nêumanne – editorialista do Jornal da Tarde e articulista de O Estado de S. Paulo – sobre o que pensa de Lula.

O retrato que emerge é de um gênio da política, que alcançou a condição de mito mediante um pot-pourri de sorte, esperteza, talento comunicador, pendor para a conciliação, conservadorismo disfarçado e afinidade com o brasileiro comum. "O Lula é o retrato do cidadão brasileiro: oportunista, vagabundo, inimigo da leitura e da educação", disse Nêumanne em uma das entrevistas de divulgação da obra.

Salvo escassas concessões, o jornalista sustenta que Lula fez um governo medíocre, "'comprou' o povo num 'supermensalão'" na área social e "nunca deixou de conspirar contra as instituições", em manobras que alçariam o escândalo de Watergate à condição de "pinto".

Entre os exemplos, defende que o banqueiro Daniel Dantas sofreu perseguição ilegal da Polícia Federal por ter caído em desgraça no PT.
Em artigo publicado em janeiro, o colunista da Folha Clóvis Rossi resumiu o Fla-Flu que domina a produção literária sobre os anos Lula: "É quase impossível encontrar (...) narrativa que não seja nem a propaganda descarada daqueles que a direita chamaria de 'subintelectuais de esquerda' nem a raiva incontida dos oposicionistas ao presidente e a seu partido".

Nêumanne assegura, entretanto, não ter abraçado nem a versão "Lula santo" nem a "Lula demônio". Na obra, cita biografias, entrevistas do então sindicalista e a memória dos anos em que foi seu amigo íntimo.

São dessa lavra os relatos sobre uma resistência de Lula em se envolver com as negociações para a volta dos exilados e um encontro com enviados da ditadura que trabalhariam para esvaziar a influência de Leonel Brizola.

Nêumanne também aborda o assassinato do prefeito Celso Daniel, em 2002. Ele escreve que, no dia em que o corpo foi encontrado, Aloizio Mercadante afirmou no "JT" que se tratava de crime passional, a mando do empresário Sérgio Gomes da Silva, o Sombra. "O prefeito era amante de Sérgio Gomes da Silva, seu ex-motorista. E foi este quem mandou matá-lo", disse, segundo o livro.

Por meio de sua assessoria, o hoje ministro negou ter feito a declaração, classificando-a de "descabida" e uma "agressão inominável" à memória de Celso Daniel.


Caderno 2
FOLHA DE S.PAULO

04/09/2011

 

Leia mais:

Livro sobre Lula aborda "homem atrás do mito"

Nêumanne e os termidorianos

Nêumanne conta Lula

A "cebola" Lula descascada

Livro que desnuda mito Lula é lançado no Recife

Coluna de Ricardo Feltrin, "Oooops"

Privacidade

Envio de originais

Mensagem do Editor

Topo Início Anterior
TOPBOOKS EDITORA E DISTRIBUIDORA DE LIVROS LTDA.
Rua Visconde de Inhauma, 58 - Sala 203 - Rio de Janeiro - CEP 20091-000
Telefones: (21) 2233-8718 ou (21) 2283-1039
Copyright © Topbooks, 2003 - 2021 - É proibida a reprodução total ou parcial sem autorização - Projeto QV